featured article

TOLERANCIA RELIGIOSA EM BALI: INSPIRADORA

Quarta, Abril 29, 2015 3 Comments 9 Likes
Likes You may like only once 3 Comments

TOLERANCIA RELIGIOSA EM BALI: INSPIRADORA

Um complexo religioso na Peninsula Bukit no sul de Bali representa a filosofia Balinesa em relação à tolerância religiosa e pode que seja único no mundo. É também um lembrete de uma poderosa mensagem de tolerância religiosa, a assimilar, a trazer de volta para casa, e a espalhar.

Nesses tempos nos que grande parte da população do mundo está sendo bombardeada com notícias de guerras e atrocidades envoltas em um véu de fervor e intolerância religiosa, nós, os bombeados pelos meios de comunicação devemos refletir sobre duas coisas:

Primeiro de tudo, temos que tentar discernir quais são as verdadeiras razões originais para essas guerras e violência. Para isso, temos de tentar investigar ou, pelo menos adivinhar, o que é que motiva os líderes dos diferentes lados a criar e perpetuar conflitos. Se concluirmos por último que seus motivos são não-religioso, mas de outra classe, então devemos perguntar por que as envestiduras religiosas. Encontrar essas respostas depende de você e está fora do escopo deste artigo.

Em segundo lugar, temos de nos perguntar se queremos ser religiosamente tolerantes. E a resposta a esta pergunta depende realmente, realmente, de você. Mas se você decidir que quer viver e praticar a sua religião ou crença em paz e, portanto, aceitar a diversidade religiosa e respeitar e aproveitar o fato de que o outro também pode viver a sua fé em paz, então você vai apreciar, e muito, a tolerância religiosa em Bali.
Bali é uma ilha tradicionalmente e predominante de religião Hindu-balinesa.
O Hinduísmo Balinês está presente em todos os lugares, o tempo todo.
Templos grandes ou pequenos, com diferentes graus de importância na escala de templos da religião salpicam a ilha. Sua bela arquitetura aberta cujas paredes entalhadas parecem crescer organicamente é inequívoca. Você está em Bali e Bali é hindu. Grandes festas na toda a ilha como Galungan, Kuningan e Nyepi são realizadas (de acordo com calendário balinês) uma vez por ano. A cerimônia da lua cheia (Purnama), de menor escala, adiciona mais 12 dias por ano em que todos os balineses se tomam o tempo para participar conjuntamente de um ritual religioso. Cerimônias menores, celebrações e festividades a nível regional, de comunidade ou familiar complementam os outros dias do ano. Rituaisde orações diárias são realizadas à vista todos os dias. Todas e cada uma das cerimônias (upacara) requer uma roupa de Balinesa distintiva, aumentando assim a percepção de uma presença diária de espírito religioso em Bali.

É sim. Você está em Bali e Bali é hindu.

Mas Bali é tolerante. Pessoas de outras ilhas da Indonésia e pessoas de outros países ao redor do mundo desembarcam na ilha em busca de uma vida melhor. Bali acolhe-lhes e acolhe as suas respectivas religiões. Na sexta-feira se vê aos muçulmanos botados em suas vestes e bonés de oração vindo ou indo às mesquitas. Nos domingos você vê cristãos acudindo as suas respectivas igrejas. Templos budistas, embora menos, estão em diferentes partes da ilha e, por vezes, se vêaos monges budistas andando descalços pelas ruas do Bukit.

Sim, Bali é tolerante, mas você poderia argumentar que não é diferente de outras regiões ou cidades cosmopolitas do mundo. E você pode estar certo.

Mas olhe só.

Como surfista que surfa no Bukit na estação chuvosa, você provavelmente já passou por este lugar. Se chama Mandala Puja. Um centro multirreligioso talvez único no mundo localizado em uma das colinas que leva até Nusa Dua pela que com certeza você pasa com a sua moto ou carro quando de caminho a pegar a sua dose de ondas limpas e glassy. Você pode ter passado despercebidamente ou talvez você tenha registrado e não tenha dado muita bola.

Vamos dar um puco de bola então.

Em nome da tolerância religiosa … e paz mundial (aham …)

Este complexo acolhe os templos de cinco religiões do mundo (os cinco religiões reconhecidas pelo sistema legal na Indonésia), uma igreja católica, uma igreja protestante, uma mesquita, um templo budista, e, claro, um templo hindu-balines. Como você pode imaginar, este complexo não se levantou do solo de forma orgânica, ou seja, não foi criado sem planejamento prévio ou propósito explícito. De jeito nenhum. Impossível. Quais são as chances de que cinco congregações religiosas diferentes construam seus templos um ao lado do outro a toa? Não. Não aconteceria. Simplesmente não. Por isso, deve ter sido planejado antes mesmo de que a terra estivesse disponível. Mas por quem? E mais importante, por quê?

Para responder a essas questões (aparentemente estamos curiosos hoje), imagine o seguinte: imagine criar um complexo onde os cinco principais religiões do mundo existem lado a lado, onde os fiéis podem cumprimentar uns aos outros antes de entrar nos templos e trocar papo ao sair, onde a simples visão dos cinco templos localizados um ao lado do outro impressiona, onde o que parecia impensável torna-se realidade. Imagine um resort como nenhum outro no mundo, um complexo que desafia o normal, que desafia o conhecido, que até mesmo o desafia o mentalmente estabelecido. Quem vendria a um lugar assim? Quem o visitaria? Quem? Mais importante, quantos daqueles quem?

Certamente, agora, você está imaginando que o motivo por trás de tal complexo(este complexo) tem sido o turismo. Porque tal complexo que você tem imaginado seria uma atração que traria ônibus cheios de turistas. E confira isto: turistas de todas as religiões, e humanistas, e agnósticos, e até mesmo ateus!

Você está imaginando que alguém ou um grupo de alguéns percebeu o quão improvável e unico seria criar tal complexo e, portanto, o quão incrível poderia se tornar como atração turística.
E você está certo. Uma das principais razões, se não a principal delas, foi que o complexo se tornassenuma atração turística.

De fato, Mandala Puju, o que significa Círculo ou Arena ou Teatro de Oração, foi concebido pelo pioneiro do turismo na Indonésia, o Sr. Joop Ave. O Sr. JoopAve, que morreu em 2014 com a idade de 79, teve uma extensa carreira servindo ao Estado indonésio na área da diplomacia e das Relações Exteriores. Mas é reconhecido por ter desempenhado um papel de liderança no desenvolvimento da indústria do turismo na Indonésia sob o regime de Suharto, em primeiro lugar, quando foi nomeado Director Geral de Turismo, em 1982, e depois como ministro do Turismo (1993-1998).
Então agora sua mente e seu cinismo danadoestão a toda velocidade tirando o diabo de dentro. “O uso premeditado do conceito de harmonia entre as religiões para fins turísticos rebaixam e banalizam o seu próprio sentido espiritual”, você diz.

Então aqui é que quando passando por ai você tem que parar o seu veículo e se parar a pensar um pouco. Ou talvez vai e pegue primeiro o swell e pensenisto quando já estiver em casa ou no quarto do hotel querendo quererfazer alguns exercícios de yoga mas realmente você não está nem ai.

Então, pense. A improbabilidade de dois templos de diferentes religiões a ficar de pé do solo de um jeito natural parece sublinhar o zelo de um para a sua própria religião e o medo para como a do outro. As autoridades religiosas não gostam da competição. Cada fiel que atravessa para o outro lado é um golpe que poderia finalmente minar a autoridade da religião e a sua existência mesma, se não se conquistar outro fiel simultaneamente. Então, sim, religiões competem por seu pedaço do bolo, mas não gostam tanto de competir abertamente. Não construem um templo ao lado do outro a toa. Pode passar, e, certamente, num mundo grande e tempo infinito já tem acontecido, mas, cinco religiões diferentes no mesmo lugar ao mesmo tempo? Isso, meu cínico ou desinteressado amigo, é alucinante.

E o alucine número um é o seguinte: as autoridades religiosas concordaram e deram o seu apoio todoa este projecto, de alguma maneira, postando en questão a noção de que a religião, os líderes religiosos e as pessoas religiosas vem com suspeita e desconfiança uns dos outros.

O alucine número dois é este: esses templos não são feitos de papelão, não fazem parte de um set de filmagem, não são templos de araque com a única intenção de atrair turistas para tirarem fotos (não há entradas). Eles são reais. Os vários serviços religiosos têm a sua programação e as classes e grupos comunitários são regulares. As pessoas vêm e fazem as suas coisas no seu respectivo templo, e o fazem sabendo que as pessoas de outras religiões também estão a fazer as suas coisas sabendo que ambos têm o direito de fazê-las e o dever de se respeitar os uns aos outros. As pessoas sabem que a harmonia interior e exterior baseia-se neste mesmo princípio. Como um dos fiéis disse: “Eu sinto um sentimento especial quando eu venho a rezar aqui. É difícil explicar, mas eu sinto que eu vivo em um mundo mais harmonioso e seguro sabendo que meus vizinhos e outras pessoas estão em seus templos e nós respeitamos uns aos outros. ”

O alucine número três: é em Bali. Uma pequena ilha do arquipélago indonésio com uma religião e cultura única, que se não fosse o que é, estaria clamando por normas mais rigorosas, regulamentos e proibições, a fim de conter a ameaça de ser engolido por influências estrangeiras. No entanto, Bali abre os braços e recebe e acolhe pessoas de todo o mundo (tem que primeiro passar pelo filtro da Imigração Indonésia), e acolhe e respeita suas práticas religiosas, seja qual for a religião. E por isso que Joop Ave e seus colegas escolheram Bali. Outra fiel: “Eu gostaria que isso fosse uma inspiração para outras partes do mundo. Eu desejaria que as pessoas pudessem ver como podemos viver juntos e viver as nossas religiões em harmonia.”

Alucine número quatro: nós o tomamos como certo. Há algum tempo que estamos em Bali e a harmonia e a tolerância religiosa é tomada como certa. Certamente você não prestou muita atenção à poderosa declaração implícita neste complexo no seu caminho para ou de volta de suas sessões de surf em Nusa Dua.

Alucine número cinco: como você esteve em Bali ou vive em Bali você sabe que, mesmo em contextos sensíveis como o de Bali a harmonia inter-religiosa é possível. E isso é uma atitude de muito valor nestes tempos. É mesmo. Mr. Joop Ave também compreendeu a importância desta mensagem para as outras regiões da Indonésia. Na verdade, ele queria que o site se tornassenum farol de esperança de harmonia inter-religiosa para o mundo.

Alucine número seis: esta pequena ilha que recebe milhões de visitantes a cada ano, que é a residência permanente ou temporária de centenas de milhares, senão milhões de estrangeiros, que é influenciada e parcialmente reformada por esses milhões de pessoas e suas culturas, esta pequena ilha , nos dizemos, teve, tem, e continuará a influenciar e a transformar esses milhões de pessoas para que possam levar para casa uma forte ereal mensagem de harmonia e tolerância, seja qual for suas religiões. Seja qual for suas crenças.

Este ciente disso, assimile, levede volta para casa, e disemine.

Dê graças e louvores.

Paz

nama2-t-ibadah-PR

Likes You may like only once 3 Comments

Leave a Reply

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

one × three =

  1. So what do all the religion’s have in common ???
    Awsome no 1 Their teacher is dead !
    no 2 , they believe in an external GOD .
    No 3 They Pray !
    Then they add their thoughts from the mind .
    When your time is spent with a ‘living master’
    Its KNOWLEDGE of the self .
    Therein lies a journey of peace for this life time .
    ‘ Know thyself ‘ find freedom & peace , jeffro .
    http://www.wopg.org

    Users who have LIKED this comment:

    • avatar
  2. A very good article and I hope it inspires other countries. As a surfer in Bali, I always think about waves and waves. This article makes me realize that peace is the best thing that we must do as human being in this planet.

    Users who have LIKED this comment:

    • avatar